Pesquisa

Instituto CAIRBAR SCHUTEL

Instituto CAIRBAR SCHUTEL
Biografia

Vamos ajudar

Translate

Centro Espírita

A idoneidade de um Centro Espírita está na gratuidade dos seus serviços.

Arquivo do blog

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Fitoterapia - E nos centros espíritas, ela também é aplicada?

Você sabia que a fitoterapia é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e​ está presente no Brasil no cuidado de milhões de pacientes​?
E nos centros espíritas, ela também é aplicada?
O médico espírita Bezerra de Menezes e o médium Eurípedes Barsanulfo popularizaram no século 19 a assistência no centro espírita aos necessitados, aliando o uso da homeopatia e da fitoterapia ao tratamento espiritual.
Leia a matéria que o Correio Fraterno publicou sobre esse assunto 


Reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, a Medicina Complementar e Alternativa (MCA) está presente no Brasil no cuidado de milhões de pacientes, que recorrem a técnicas e terapias naturais para o alívio e cura de suas doenças, buscando o equilíbrio físico e emocional. Algumas delas, entendidas como novas nos países ocidentais, são tradicionais e recorrentes em outras sociedades e culturas, como a acupuntura, o do-in e a fitoterapia, que envolve o uso dos princípios ativos das plantas em favor da saúde. Isso sem falar na homeopatia (Hahnemann, 1755) e na manipulação do magnetismo animal (Mesmer, 1744).
No Brasil são inúmeras as possibilidades de tratamentos com uso da medicina complementar, com incontáveis casos de sucesso. Muitos deles inclusive oferecendo soluções não encontradas na medicina convencional.
Foi possivelmente antevendo a quantidade de sofrimentos, dores não-curadas, principalmente da alma, que o médico espírita Bezerra de Menezes e o médium Eurípedes Barsanulfo popularizaram no século 19 a assistência no centro espírita aos doentes e necessitados, aliando o uso da homeopatia e da fitoterapia ao tratamento espiritual.
“Praticamente não houve interrupção do trabalho com a fitoterapia iniciado por Eurípedes Barsanulfo, em Sacramento, MG, que é hoje o coordenador geral desse trabalho no plano espiritual”– explica Rener Leite da Cunha, e à frente do trabalho de assistência nesse segmento há mais de vinte anos, no Centro Espírita Estrada da Luz e em pelo menos três outras casas espíritas em Uberlândia, MG e região, onde chega a atender com a equipe cerca de 1.500 pessoas por mês. 
Desde o século 19, Eurípedes fazia o que chamavam de trabalho de receituário, e distribuía gratuitamente as formulações que ele mesmo preparava na Farmácia Homeopática, tendo a sua mediunidade como um dos instrumentos principais no atendimento de pessoas que vinham de longe para se tratar.1 Através de seu tio Sinhô Mariano, na Fazenda em Santa Maria é que Eurípedes Barsanulfo tornou-se espírita. E logo após a sua desencarnação, foi Sinhô Mariano quem continuou o trabalho no atendimento, ainda por muitos anos. Eurípedes desencarnara muito cedo, em 1918, com apenas 38 anos, vítima da gripe espanhola. A partir de 1959, o médium Langerton prossegue com o trabalho da fitoterapia, em Peirópolis, Uberaba, cujos conhecimentos que detinha sobre as plantas, preparo, acondicionamento, embalagem, indicação, foram aos poucos sendo transmitidos a outras pessoas interessadas, o que propiciou a multiplicação de trabalhadores que formam hoje cerca de 70 grupos semelhantes espalhados pelo Brasil e em cinco países: Alemanha, Holanda, Portugal, Maputo (na África) e Cuba.
“Temos aí o ide e pregai, ensinai, curai os enfermos, expulsai os demônios. Isso é fitoterapia com Jesus” – explica Rener. “Além da parte física, dos recursos das plantas, a fitoterapia obedece à fluidificação da espiritualidade. “Eu posso manipular uma planta, mas na casa espírita o efeito magnético é outro. Os efeitos químicos, biológicos são diferentes”, diz ao recordar o preparo de trinta quilos de  cremes e unguentos no dia anterior a essa entrevista. “Tudo é à base de oração, fluidificação; fazemos tinturas com a planta verde [sabendo-se a hora exata de se coletá-la], extraímos o princípio ativo, magnetizamos a tintura através da fluidificação magnética do médium e da espiritualidade”– comenta. “Quando as energias perispiríticas, que são as energias fluídicas do indivíduo, estão em desequilíbrio, lesionam as células e essas células adoecem o corpo físico”– explica Rener, que ao trabalhar no receituário é auxiliado pelos espíritos pela mediunidade auditiva. “Os assistidos vão sendo tratados desde a entrada no Centro, através da equipe espiritual, da palestra que ouvem sobre o Evangelho, até a saída, com seus frascos de medicamentos à base de plantas, distribuídos gratuitamente”– conclui.

1- Eurípedes Barsanulfo, o apóstolo da caridade, de Jorge Rizzini (Ed. Correio Fraterno) e  O homem e a missão, de Corina Novelino (Ed. IDE).

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Evangelho no Lar

HORA DO EVANGELHO NO LAR – CAP. II – ITENS 5, 6 E 7 – O PONTO DE VISTA – 12/9/2016 | Centro Espirita Francisco de Assis – CEFA

HORA DO EVANGELHO NO LAR – CAP. II – ITENS 5, 6 E 7 – O PONTO DE VISTA – 12/9/2016 | Centro Espirita Francisco de Assis – CEFA

USE - Intermunicipal de Taubaté

O ponto de vista (II)


Se toda a gente pensasse dessa maneira – ou seja, e desse reduzida importância aos bens terrenos –, dir-se-ia, tudo na Terra periclitaria, porquanto ninguém mais se iria ocupar com as coisas terrenas. Não; o homem, instintivamente, procura o seu bem-estar e, embora certo de que só por pouco tempo permanecerá no lugar em que se encontra, cuida de estar aí o melhor ou o menos mal que lhe seja possível. Ninguém há que, dando com um espinho debaixo de sua mão, não a retire, para se não picar. Ora, o desejo do bem-estar força o homem a tudo melhorar, impelido que é pelo instinto do progresso e da conservação, que está nas leis da Natureza. Ele, pois, trabalha por necessidade, por gosto e por dever, obedecendo, desse modo, aos desígnios da Providência que, para tal fim, o pôs na Terra. Simplesmente, aquele que se preocupa com o futuro não liga ao presente mais do que relativa importância e facilmente se consola dos seus insucessos, pensando no destino que o aguarda.
Deus, conseguintemente, não condena os gozos terrenos; condena, sim, o abuso desses gozos em detrimento das coisas da alma. Contra tais abusos é que se premunem os que a si próprios aplicam estas palavras de Jesus: Meu reino não é deste mundo.
Aquele que se identifica com a vida futura assemelha-se ao rico que perde sem emoção uma pequena soma. Aquele cujos pensamentos se concentram na vida terrestre assemelha-se ao pobre que perde tudo o que possui e se desespera.
O Espiritismo dilata o pensamento e lhe rasga horizontes novos. Em vez dessa visão, acanhada e mesquinha, que o concentra na vida atual, que faz do instante que vivemos na Terra único e frágil eixo do porvir eterno, ele, o Espiritismo, mostra que essa vida não passa de um elo no harmonioso e magnífico conjunto da obra do Criador. Mostra a solidariedade que conjuga todas as existências de um mesmo ser, todos os seres de um mesmo mundo e os seres de todos os mundos. Faculta assim uma base e uma razão de ser à fraternidade universal, enquanto a doutrina da criação da alma por ocasião do nascimento de cada corpo torna estranhos uns aos outros todos os seres. Essa solidariedade entre as partes de um mesmo todo explica o que inexplicável se apresenta, desde que se considere apenas um ponto. Esse conjunto, ao tempo do Cristo, os homens não o teriam podido compreender, motivo por que ele reservou para outros tempos o fazê-lo conhecido.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. II, itens 6 e 7.)

Mother Teresa

domingo, 4 de junho de 2017

Comunidade Espírita de Taubaté

https://m.facebook.com/profile.php?id=525066794207771

Postagens no Facebook

Postagens no Facebook

Obediência e resignação

O duelo (III)

Muito se pedirá àquele que muito recebeu

Candeia sob o alqueire. Porque fala Jesus por parábolas (II)

O suicídio e a loucura

Missão dos espíritas

Maneira de orar

Facebook - O CONSOLADOR

https://www.facebook.com/revistaoconsolador





O CONSOLADOR

FALE CONOSCO - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/faleconosco/principal.html





O CONSOLADOR

QUEM SOMOS - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/quemsomos/principal.html





O CONSOLADOR

ESCLAREÇA SUAS DÚVIDAS - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/esclarecasuasduvidas/principal.html





O CONSOLADOR

LINKS ENTIDADES FEDERATIVAS - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/Links/principal.html





O CONSOLADOR

ESPERANTO SEM MESTRE - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/esperantosemmestre/principal.html





O CONSOLADOR

EFEMÉRIDES DO ESPIRITISMO Janeiro - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/efemerides/principal.html





O CONSOLADOR

Vocabulário Espírita - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/vocabulario/principal.html





O CONSOLADOR

Estudos Espíritas - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/estudosespiritas/principal.html





O CONSOLADOR

Rádio Espírita Online - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/radio/principal.html





O CONSOLADOR

TV Espírita Online - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/programasespiritas/principal.html





O CONSOLADOR

Mensagens na voz de Chico Xavier - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/mensagensdevoz/principal.html





O CONSOLADOR

Filmes Espiritualistas - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/filmes/principal.html





O CONSOLADOR

Biografias - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/biografias/principal.html





O CONSOLADOR

Biblioteca Virtual - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/bibliotecavirtual/principal.html





O CONSOLADOR

Jornal de Divulgação Espírita "O Imortal" O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/oimortal/principal.html





O CONSOLADOR

Editora Virtual O Consolador - Nosso último lançamento - Manifestações de Espírito de pessoa viva

http://www.oconsolador.com.br/editora/evoc.htm





Editora Virtual O Consolador

Artigos por Rogério Coelho O Espiritismo sem os Espíritos (?!) - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca8.html





O CONSOLADOR

Artigos por Ricardo Orestes Forni Deus me esqueceu? - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca7.html





O CONSOLADOR

Artigos por Luiz Guimarães G. de Sá O silêncio que fala alto - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca6.html





O CONSOLADOR

Artigos por Guaraci de Lima Silveira - Adolescer - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca5.html





O CONSOLADOR

Artigos por Elsa Rossi - Competindo conosco mesmo... - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca4.html





O CONSOLADOR

Artigos por Diamantino de Bártolo Direitos Humanos na Preparação do Homem Moderno - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca3.html





O CONSOLADOR

Artigos por Claudio Viana Silveira A solidão do “crucifica-o! - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca2.html





O CONSOLADOR

Artigos por Arnaldo Rodrigues Camargo - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/ca1.html





O CONSOLADOR

O Espiritismo em outros países por Eunice de Oliveira Cazetta - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/oespiritismoemoutrospaises.html





O CONSOLADOR

Movimento Espírita Brasileiro por Mariângela Cazetta - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/movimentoespiritabrasileiro.html





O CONSOLADOR

Cartas Ano 11 - N° 519 - 4 de Junho de 2017 De: Vitor Manuel Miranda Marques (Lisboa, Portugal) - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/cartas.html





O CONSOLADOR

Questões vernáculas por Astolfo O. de Oliveira Filho - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/questoesvernaculas.html





O CONSOLADOR

Esperanto por Leonardo Cassanho Forster - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/esperanto.html





O CONSOLADOR

Livros que recomendamos por Eunice de Oliveira Cazetta - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/livrosquerecomendamos.html





O CONSOLADOR

Livros - Lançamentos por José Carlos Munhoz Pinto - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/livroslancamentos.html





O CONSOLADOR

O Espiritismo responde por Astolfo O. de Oliveira Filho - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/oespiritismoresponde.html





O CONSOLADOR

Um minuto com Chico Xavier por Regina Stella Spagnuolo - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/umminutocomchico.html





O CONSOLADOR

Joias da poesia contemporânea Espírito: Maria Dolores Sementes de luz - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/joias.html





O CONSOLADOR

Correio mediúnico Espírito: Irmão X A lenda das lágrimas - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/correiomediunico.html





O CONSOLADOR

Elucidações de Emmanuel por Francisco Cândido Xavier Insistamos no bem - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/emmanuel.html



O CONSOLADOR

Estudando as obras de Manoel Philomeno de Miranda por Thiago Bernardes - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/estudandomanoelphilomeno.html





O CONSOLADOR

Estudando as obras de André Luiz por Ana Moraes - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/estudandoasobrasdeandreluiz.html





O CONSOLADOR

Clássicos do Espiritismo por Angélica Reis. Deus na Natureza - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/classicosdoespiritismo.html



O CONSOLADOR

Espiritismo para crianças por Célia Xavier de Camargo - A experiência - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/criancas.html





O CONSOLADOR

A Revue Spirite de 1859 Parte 9 - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/eoak.html





O CONSOLADOR

No processo educativo, os atos e os exemplos valem mais que as palavras - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/editorial.html





O CONSOLADOR

Aristides Apolinário fala à revista - O CONSOLADOR





http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/cartaaoleitor.html



O CONSOLADOR

Internacional por Ênio Medeiros - O CONSOLADOR



http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/especial2.html



O CONSOLADOR

Educação para o autoamor - O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/especial.html



O CONSOLADOR

Uma experiência quase centenária

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/entrevista.html



O CONSOLADOR

Revista Espírita O CONSOLADOR

http://www.oconsolador.com.br/ano11/519/principal.html



O CONSOLADOR

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Final emocionante de Palestra de Divaldo Franco, na UERJ 2016!

Relação Ao Futuro Crise Do Brasil 2017, Como Devemos Enfrentar? Divaldo ...

DIVALDO FRANCO EU CHOREI MUITO COM ESSE VIDEO

DIVALDO FRANCO (INÉDITO 2017)

DIVALDO FRANCO EU NÃO QUERO SER COITADO EU QUERO SER AMADO

Divaldo Franco - Viagem interior para encontrar a si mesmo (2016)

PALESTRA DE 90 ANOS DIVALDO FRANCO

Ep. 03 Divaldo Franco - Quando Voltar a Primavera

Parte 2 de 4: Vídeo em homenagem aos 90 anos de Divaldo Franco, realizad...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Há informações consistentes no Evangelho ou de historiadores a respeito do que Jesus tenha feito entre os 12 e os 30 anos de idade?

Aos 101 anos, o norte-americano John Motes se formou no ensino médio na semana passada. Ele deveria ter se formado em 1933, mas por conta de um problema de...

A voz dos anjos... Maravilhosa! Ave Maria (Kimmy Skota)

A oração Pai Nosso na voz de Chico Xavier.

Esse vídeo é muito forte !!! De valor a sua mãe enquanto você tem não deixem de assistir mamães marquem seus filhos. ( Atitude Grande - Mãe ) Clipe oficial > Vi...

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Mundos inferiores e mundos superiores (II)


Nesses mundos venturosos, as relações, sempre amistosas entre os povos, jamais são perturbadas pela ambição, da parte de qualquer deles, de escravizar o seu vizinho, nem pela guerra que daí decorre. Não há senhores, nem escravos, nem privilegiados pelo nascimento; só a superioridade moral e intelectual estabelece diferença entre as condições e dá a supremacia. A autoridade merece o respeito de todos, porque somente ao mérito é conferida e se exerce sempre com justiça. O homem não procura elevar-se acima do homem, mas acima de si mesmo, aperfeiçoando-se. Seu objetivo é galgar a categoria dos Espíritos puros, não lhe constituindo um tormento esse desejo, porém, uma ambição nobre, que o induz a estudar com ardor para os igualar. Lá, todos os sentimentos delicados e elevados da natureza humana se acham engrandecidos e purificados; desconhecem-se os ódios, os mesquinhos ciúmes, as baixas cobiças da inveja; um laço de amor e fraternidade prende uns aos outros todos os homens, ajudando os mais fortes aos mais fracos. Possuem bens, em maior ou menor quantidade, conforme os tenham adquirido, mais ou menos por meio da inteligência; ninguém, todavia, sofre, por lhe faltar o necessário, uma vez que ninguém se acha em expiação. Numa palavra: o mal, nesses mundos, não existe.
No vosso, precisais do mal para sentirdes o bem; da noite, para admirardes a luz; da doença, para apreciardes a saúde. Naqueles outros não há necessidade desses contrastes. A eterna luz, a eterna beleza e a eterna serenidade da alma proporcionam uma alegria eterna, livre de ser perturbada pelas angústias da vida material, ou pelo contacto dos maus, que lá não têm acesso. Isso o que o espírito humano maior dificuldade encontra para compreender. Ele foi bastante engenhoso para pintar os tormentos do inferno, mas nunca pôde imaginar as alegrias do céu. Por quê? Porque, sendo inferior, só há experimentado dores e misérias, jamais entreviu as claridades celestes; não pode, pois, falar do que não conhece. À medida, porém, que se eleva e depura, o horizonte se lhe dilata e ele compreende o bem que está diante de si, como compreendeu o mal que lhe está atrás.
Entretanto, os mundos felizes não são orbes privilegiados, visto que Deus não é parcial para qualquer de seus filhos; a todos dá os mesmos direitos e as mesmas facilidades para chegarem a tais mundos. Fá-los partir todos do mesmo ponto e a nenhum dota melhor do que aos outros; a todos são acessíveis as mais altas categorias: apenas lhes cumpre a eles conquistá-las pelo seu trabalho, alcançá-las mais depressa, ou permanecer inativos por séculos de séculos no lodaçal da Humanidade. (Resumo do ensino de todos os Espíritos superiores.)

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. III, itens 10 a 12.)

Aliança da Ciência e da Religião


A Ciência e a Religião são as duas alavancas da inteligência humana: uma revela as leis do mundo material e a outra as do mundo moral. Tendo, no entanto, essas leis o mesmo princípio, que é Deus, não podem contradizer-se. Se fossem a negação uma da outra, uma necessariamente estaria em erro e a outra com a verdade, porquanto Deus não pode pretender a destruição de sua própria obra. A incompatibilidade que se julgou existir entre essas duas ordens de idéias provém apenas de uma observação defeituosa e de excesso de exclusivismo, de um lado e de outro. Daí um conflito que deu origem à incredulidade e à intolerância.
São chegados os tempos em que os ensinamentos do Cristo têm de ser completados; em que o véu intencionalmente lançado sobre algumas partes desse ensino tem de ser levantado; em que a Ciência, deixando de ser exclusivamente materialista, tem de levar em conta o elemento espiritual e em que a Religião, deixando de ignorar as leis orgânicas e imutáveis da matéria, como duas forças que são, apoiando-se uma na outra e marchando combinadas, se prestarão mútuo concurso. Então, não mais desmentida pela Ciência, a Religião adquirirá inabalável poder, porque estará de acordo com a razão, já se lhe não podendo mais opor a irresistível lógica dos fatos.
A Ciência e a Religião não puderam, até hoje, entender-se, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, reciprocamente se repeliam. Faltava com que encher o vazio que as separava, um traço de união que as aproximasse. Esse traço de união está no conhecimento das leis que regem o Universo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo, leis tão imutáveis quanto as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres. Uma vez comprovadas pela experiência essas relações, nova luz se fez: a fé dirigiu-se à razão; esta nada encontrou de ilógico na fé: vencido foi o materialismo. Mas, nisso, como em tudo, há pessoas que ficam atrás, até serem arrastadas pelo movimento geral, que as esmaga, se tentam resistir-lhe, em vez de o acompanharem. É toda uma revolução que neste momento se opera e trabalha os espíritos. Após uma elaboração que durou mais de dezoito séculos, chega ela à sua plena realização e vai marcar uma nova era na vida da Humanidade. Fáceis são de prever as conseqüências: acarretará para as relações sociais inevitáveis modificações, às quais ninguém terá força para se opor, porque elas estão nos desígnios de Deus e derivam da lei do progresso, que é lei de Deus.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. I, item 8.)

Coletânea de preces espíritas


Os Espíritos hão dito sempre: “A forma nada vale, o pensamento é tudo. Ore, pois, cada um segundo suas convicções e da maneira que mais o toque. Um bom pensamento vale mais do que grande número de palavras com as quais nada tenha o coração.”
Os Espíritos jamais prescreveram qualquer fórmula absoluta de preces. Quando dão alguma, é apenas para fixar as idéias e, sobretudo, para chamar a atenção sobre certos princípios da Doutrina Espírita. Fazem-no também com o fim de auxiliar os que sentem embaraço para externar suas idéias, pois alguns há que não acreditariam ter orado realmente, desde que não formulassem seus pensamentos.
A coletânea de preces, que este capítulo encerra, representa uma escolha feita entre muitas que os Espíritos ditaram em várias circunstâncias. Eles, sem dúvida, podem ter ditado outras e em termos diversos, apropriadas a certas idéias ou a casos especiais; mas, pouco importa a forma, se o pensamento é essencialmente o mesmo. O objetivo da prece consiste em elevar nossa alma a Deus; a diversidade das fórmulas nenhuma diferença deve criar entre os que nele crêem, nem, ainda menos, entre os adeptos do Espiritismo, porquanto Deus as aceita todas quando sinceras.
Não há, pois, considerar esta coletânea como um formulário absoluto e único, mas, apenas, uma variedade no conjunto das instruções que os Espíritos ministram. É uma aplicação dos princípios da moral evangélica desenvolvidos neste livro, um complemento aos ditados deles, relativos aos deveres para com Deus e o próximo, complemento em que são lembrados todos os princípios da Doutrina.
O Espiritismo reconhece como boas as preces de todos os cultos, quando ditas de coração e não de lábios somente. Nenhuma impõe, nem reprova nenhuma. Deus, segundo ele, é sumamente grande para repelir a voz que lhe suplica ou lhe entoa louvores, porque o faz de um modo e não de outro. Quem quer que lance anátema às preces que não estejam no seu formulário provará que desconhece a grandeza de Deus. Crer que Deus se atenha a uma fórmula é emprestar-lhe a pequenez e as paixões da Humanidade.
Condição essencial à prece, segundo S. Paulo (cap. XXVII, nº 16), é que seja inteligível, a fim de que nos possa falar ao espírito. Para isso, não basta seja dita numa língua que aquele que ora compreenda. Há preces em língua vulgar que não dizem ao pensamento muito mais do que se fossem proferidas em língua estrangeira, e que, por isso mesmo, não chegam ao coração. As raras idéias que elas contêm ficam, as mais das vezes, abafadas pela superabundância das palavras e pelo misticismo da linguagem.
A qualidade principal da prece é ser clara, simples e concisa, sem fraseologia inútil, nem luxo de epítetos, que são meros adornos de lentejoulas. Cada palavra deve ter alcance próprio, despertar uma idéia, pôr em vibração uma fibra da alma. Numa palavra: deve fazer refletir. Somente sob essa condição pode a prece alcançar o seu objetivo; de outro modo, não passa de ruído. Entretanto, notai com que ar distraído e com que volubilidade elas são ditas na maioria dos casos. Vêem-se lábios a mover-se; mas, pela expressão da fisionomia, pelo som mesmo da voz, verifica-se que ali apenas há um ato maquinal, puramente exterior, ao qual se conserva indiferente a alma.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXVIII, item 1.)

A reencarnação fortalece os laços de família (III)


Vejamos agora as conseqüências da doutrina anti-reencarcionista. Ela, necessariamente, anula a preexistência da alma. Sendo estas criadas ao mesmo tempo que os corpos, nenhum laço anterior há entre elas, que, nesse caso, serão completamente estranhas umas às outras. O pai é estranho a seu filho. A filiação das famílias fica assim reduzida à só filiação corporal, sem qualquer laço espiritual. Não há então motivo algum para quem quer que seja glorificar-se de haver tido por antepassados tais ou tais personagens ilustres. Com a reencarnação, ascendentes e descendentes podem já se terem conhecido, vivido juntos, amado, e podem reunir-se mais tarde, a fim de apertarem entre si os laços de simpatia.
Isso quanto ao passado. Quanto ao futuro, segundo um dos dogmas fundamentais que decorrem da não-reencarnação, a sorte das almas se acha irrevogavelmente determinada, após uma só existência. A fixação definitiva da sorte implica a cessação de todo progresso, pois desde que haja qualquer progresso já não há sorte definitiva. Conforme tenham vivido bem ou mal, elas vão imediatamente para a mansão dos bem-aventurados, ou para o inferno eterno. Ficam assim, imediatamente e para sempre, separadas e sem esperança de tornarem a juntar-se, de forma que pais, mães e filhos, mandos e mulheres, irmãos, irmãs e amigos jamais podem estar certos de se verem novamente; é a ruptura absoluta dos laços de família.
Com a reencarnação e progresso a que dá lugar, todos os que se amaram tornam a encontrar-se na Terra e no espaço e juntos gravitam para Deus. Se alguns fraquejam no caminho, esses retardam o seu adiantamento e a sua felicidade, mas não há para eles perda de toda esperança. Ajudados, encorajados e amparados pelos que os amam, um dia sairão do lodaçal em que se enterraram. Com a reencarnação, finalmente, há perpétua solidariedade entre os encarnados e os desencarnados, e, daí, estreitamento dos laços de afeição.
Em resumo, quatro alternativas se apresentam ao homem, para o seu futuro de além-túmulo: 1ª, o nada, de acordo com a doutrina materialista; 2ª, a absorção no todo universal, de acordo com a doutrina panteísta; 3ª, a individualidade, com fixação definitiva da sorte, segundo a doutrina da Igreja; 4ª, a individualidade, com progressão indefinita, conforme a Doutrina Espírita. Segundo as duas primeiras, os laços de família se rompem por ocasião da morte e nenhuma esperança resta às almas de se encontrarem futuramente. Com a terceira, há para elas a possibilidade de se tornarem a ver, desde que sigam para a mesma região, que tanto pode ser o inferno como o paraíso. Com a pluralidade das existências, inseparável da progressão gradativa, há a certeza na continuidade das relações entre os que se amaram, e é isso o que constitui a verdadeira família.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. IV, itens 21 a 23.)

Deve-se expor a vida por um malfeitor?


Acha-se em perigo de morte um homem; para o salvar tem um outro que expor a vida. Sabe-se, porém, que aquele é um malfeitor e que, se escapar, poderá cometer novos crimes. Deve, não obstante, o segundo arriscar-se para o salvar?
Questão muito grave é esta e que naturalmente se pode apresentar ao espírito. Responderei, na conformidade do meu adiantamento moral, pois o de que se trata é de saber se se deve expor a vida, mesmo por um malfeitor. O devotamento é cego; socorre-se um inimigo; deve-se, portanto, socorrer o inimigo da sociedade, a um malfeitor, em suma. Julgais que será somente à morte que, em tal caso, se corre a arrancar o desgraçado? É, talvez, a toda a sua vida passada. Imaginai, com efeito, que, nos rápidos instantes que lhe arrebatam os derradeiros alentos de vida, o homem perdido volve ao seu passado, ou que, antes, este se ergue diante dele. A morte, quiçá, lhe chega cedo demais; a reencarnação poderá vir a ser-lhe terrível. Lançai-vos, então, ó homens; lançai-vos todos vós a quem a ciência espírita esclareceu; lançai-vos, arrancai-o à sua condenação e, talvez, esse homem, que teria morrido a blasfemar, se atirará nos vossos braços. Todavia, não tendes que indagar se o fará, ou não; socorrei-o, porquanto, salvando-o, obedeceis a essa voz do coração, que vos diz: “Podes salvá-lo, salva-o!” — Lamennais. (Paris, 1862.)

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XI, item 15.)

A beneficência (III)


Chamo-me Caridade; sigo o caminho principal que conduz a Deus. Acompanhai-me, pois conheço a meta a que deveis todos visar.
Dei esta manhã o meu giro habitual e, com o coração amargurado, venho dizer-vos: Oh! meus amigos, que de misérias, que de lágrimas, quanto tendes de fazer para secá-las todas! Em vão, procurei consolar algumas pobres mães, dizendo-lhes ao ouvido: Coragem! há corações bons que velam por vós; não sereis abandonadas; paciência! Deus lá está; sois dele amadas, sois suas eleitas. Elas pareciam ouvir-me e volviam para o meu lado os olhos arregalados de espanto; eu lhes lia no semblante que seus corpos, tiranos do Espírito, tinham fome e que, se é certo que minhas palavras lhes serenavam um pouco os corações, não lhes reconfortavam os estômagos. Repetia-lhes: Coragem! Coragem! Então, uma pobre mãe, ainda muito moça, que amamentava uma criancinha, tomou-a nos braços e a estendeu no espaço vazio, como a pedir-me que protegesse aquele entezinho que só encontrava, num seio estéril, insuficiente alimentação.
Alhures vi, meus amigos, pobres velhos sem trabalho e, em conseqüência, sem abrigo, presas de todos os sofrimentos da penúria e, envergonhados de sua miséria, sem ousarem, eles que nunca mendigaram, implorar a piedade dos transeuntes. Com o coração túmido de compaixão, eu, que nada tenho, me fiz mendiga para eles e vou, por toda a parte, estimular a beneficência, inspirar bons pensamentos aos corações generosos e compassivos. Por isso é que aqui venho, meus amigos, e vos digo: Há por aí desgraçados, em cujas choupanas falta o pão, os fogões se acham sem lume e os leitos sem cobertas. Não vos digo o que deveis fazer; deixo aos vossos bons corações a iniciativa. Se eu vos ditasse o proceder, nenhum mérito vos traria a vossa boa ação. Digo-vos apenas: Sou a caridade e vos estendo as mãos pelos vossos irmãos que sofrem.
Mas, se peço, também dou e dou muito. Convido-vos para um grande banquete e forneço a árvore onde todos vos saciareis! Vede quanto é bela, como está carregada de flores e de frutos! Ide, ide, colhei, apanhai todos os frutos dessa magnificente árvore que se chama a beneficência. No lugar dos ramos que lhe tirardes, atarei todas as boas ações que praticardes e levarei a árvore a Deus, que a carregará de novo, porquanto a beneficência é inexaurível. Acompanhai-me, pois, meus amigos, a fim de que eu vos conte entre os que se arrolam sob a minha bandeira. Nada temais; eu vos conduzirei pelo caminho da salvação, porque sou — a Caridade. – Cárita, martirizada em Roma. (Lião, 1861.)

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIII, item 13.)

Observai os pássaros do céu


Não acumuleis tesouros na Terra, onde a ferrugem e os vermes os comem e onde os ladrões os desenterram e roubam; — acumulai tesouros no céu, onde nem a ferrugem, nem os vermes os comem; — porquanto, onde está o vosso tesouro aí está também o vosso coração.
Eis por que vos digo: Não vos inquieteis por saber onde achareis o que comer para sustento da vossa vida, nem de onde tirareis vestes para cobrir o vosso corpo. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que as vestes?
Observai os pássaros do céu: não semeiam, não ceifam, nada guardam em celeiros; mas, vosso Pai celestial os alimenta. Não sois muito mais do que eles? — e qual, dentre vós, o que pode, com todos os seus esforços, aumentar de um côvado a sua estatura?
Por que, também, vos inquietais pelo vestuário? Observai como crescem os lírios dos campos: não trabalham, nem fiam; — entretanto, eu vos declaro que nem Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. — Ora, se Deus tem o cuidado de vestir dessa maneira a erva dos campos, que existe hoje e amanhã será lançada na fornalha, quanto maior cuidado não terá em vos vestir, ó homens de pouca fé!
Não vos inquieteis, pois, dizendo: Que comeremos? ou: que beberemos? ou: de que nos vestiremos? — como fazem os pagãos, que andam à procura de todas essas coisas; porque vosso Pai sabe que tendes necessidades delas.
Buscai primeiramente o reino de Deus e a sua justiça, que todas essas coisas vos serão dadas de acréscimo. — Assim, pois, não vos ponhais inquietos pelo dia de amanhã, porquanto o amanhã cuidará de si. A cada dia basta o seu mal. (S. MATEUS, cap. VI, vv. 19 a 21 e 25 a 34.)
Interpretadas à letra, essas palavras seriam a negação de toda previdência, de todo trabalho e, conseguintemente, de todo progresso. Com semelhante princípio, o homem limitar-se-ia a esperar passivamente. Suas forças físicas e intelectuais conservar-se-iam inativas. Se tal fora a sua condição normal na Terra, jamais houvera ele saído do estado primitivo e, se dessa condição fizesse ele a sua lei para a atualidade, só lhe caberia viver sem fazer coisa alguma. Não pode ter sido esse o pensamento de Jesus, pois estaria em contradição com o que disse de outras vezes, com as próprias leis da Natureza. Deus criou o homem sem vestes e sem abrigo, mas deu-lhe a inteligência para fabricá-los.
Não se deve, portanto, ver, nessas palavras, mais do que uma poética alegoria da Providência, que nunca deixa ao abandono os que nela confiam, querendo, todavia, que esses, por seu lado, trabalhem. Se ela nem sempre acode com um auxílio material, inspira as idéias com que se encontram os meios de sair da dificuldade.
Deus conhece as nossas necessidades e a elas provê, como for necessário. O homem, porém, insaciável nos seus desejos, nem sempre sabe contentar-se com o que tem: o necessário não lhe basta; reclama o supérfluo. A Providência, então, o deixa entregue a si mesmo. Freqüentemente, ele se torna infeliz por culpa sua e por haver desatendido à voz que por intermédio da consciência o advertia. Nesses casos, Deus fá-lo sofrer as conseqüências, a fim de que lhe sirvam de lição para o futuro.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXV, itens 6 e 7.)

Os falsos profetas


Se vos disserem: “O Cristo está aqui”, não vades; ao contrário, tende-vos em guarda, porquanto numerosos serão os falsos profetas. Não vedes que as folhas da figueira começam a branquear; não vedes os seus múltiplos rebentos aguardando a época da floração; e não vos disse o Cristo: Conhece-se a árvore pelo fruto? Se, pois, são amargos os frutos, já sabeis que má é a árvore; se, porém, são doces e saudáveis, direis: “Nada que seja puro pode provir de fonte má.” 

É assim, meus irmãos, que deveis julgar; são as obras que deveis examinar. Se os que se dizem investidos de poder divino revelam sinais de uma missão de natureza elevada, isto é, se possuem no mais alto grau as virtudes cristãs e eternas: a caridade, o amor, a indulgência, a bondade que concilia os corações; se, em apoio das palavras, apresentam os atos, podereis então dizer: Estes são realmente enviados de Deus.
Desconfiai, porém, das palavras melífluas, desconfiai dos escribas e dos fariseus que oram nas praças públicas, vestidos de longas túnicas. Desconfiai dos que pretendem ter o monopólio da verdade!
Não, não, o Cristo não está entre esses, porquanto os que ele envia para propagar a sua santa doutrina e regenerar o seu povo serão, acima de tudo, seguindo-lhe o exemplo, brandos e humildes de coração; os que hajam, com os exemplos e conselhos que prodigalizem, de salvar a humanidade, que corre para a perdição e pervaga por caminhos tortuosos, serão essencialmente modestos e humildes. De tudo o que revele um átomo de orgulho, fugi, como de uma lepra contagiosa, que corrompe tudo em que toca. Lembrai-vos de que cada criatura traz na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade.
Ide, portanto, meus filhos bem-amados, caminhai sem tergiversações, sem pensamentos ocultos, na rota bendita que tomastes. Ide, ide sempre, sem temor; afastai, cuidadosamente, tudo o que vos possa entravar a marcha para o objetivo eterno. Viajores, só por pouco tempo mais estareis nas trevas e nas dores da provação, se abrirdes o vosso coração a essa suave doutrina que vos vem revelar as leis eternas e satisfazer a todas as aspirações de vossa alma acerca do desconhecido. Já podeis dar corpo a esses silfos ligeiros que vedes passar nos vossos sonhos e que, efêmeros, apenas vos encantavam o espírito, sem coisa alguma dizerem ao vosso coração. Agora, meus amados, a morte desapareceu, dando lugar ao anjo radioso que conheceis, o anjo do novo encontro e da reunião! Agora, vós que bem desempenhado haveis a tarefa que o Criador confia às suas criaturas, nada mais tendes de temer da sua justiça, pois ele é pai e perdoa sempre aos filhos transviados que clamam por misericórdia. Continuai, portanto, avançai incessantemente. Seja vossa divisa a do progresso, do progresso contínuo em todas as coisas, até que, finalmente, chegueis ao termo feliz da jornada, onde vos esperam todos os que vos precederam. — Luís. (Bordéus, 1861.)

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXI, item 8.)

Impressionante, chuva cai no mesmo lugar e forma uma cachoeira!!

Braulio bessa recita poema contra o preconceito

A reação deste bebê à Sonata ao Luar, de Beethoven.

Crianças emocionam ao torcer pelo colega que andou sozinho pela 1° vez aos 6 anos.

Um jantar com a mãe.

Guarda Real Britânica tocando o Hino Nacional Brasileiro!

Não tenho vergonha de cuidar da minha Vó.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Ajudando um amigo

Programa de choque traumático iraquiana

Conhece o lugar mais profundo da terra e alguns de seus habitantes, a fossa das marianas. Obrigado a todos os investigadores.

Cirurgia espiritual pelo médico Dr Alonso

Assombração... (Vídeo amigos da luz)

LINDA CANÇÃO COM MOACIR FRANCO!

MAIS UM DESABAFO DE IDOSOS QUE CHOCA!

DIVALDO FRANCO os espíritos que voltarão a reencarnar na Terra

PINTURAS MEDIÚNICAS Xuxa estréia o quadro Dom Especial

Richard Clayderman - Balada Para Adelina. Richard Clayderman - Ballade Pour Adeline.

PSICOGRAFIA EMOCIONANTE!

A luz que entra no quarto do Chico Xavier, quando estava com pneumonia no hospital era a sua mãe e o seu mentor espiritual Emannuel.

"AMOR VERDADEIRO"

PAI NOSSO

QUAL O REMÉDIO PARA A DEPRESSÃO?

Eu amo pessoas boas

MAIS AMOR

SESSÃO DE PSICOGRAFIA EMOCIONANTE!!!

Almir Sater revela que a música "Tocando Em Frente" foi psicografada

A viagem

DIVALDO FRANCO - Visita a Africa tente não se emocionar - vídeo sensacional.

Qual é o remédio para a depressão?

IRA, RAIVA, MAU HUMOR (Divaldo Franco)

Esta mensagem talvez seja o que você precisa neste momento

Qual é a origem das doenças?

COMO AJUDAR QUEM AMAMOS?

Se encantem um pouco com a Baviera, Alemanha.

Aprendamos a dar e a receber.

Um vídeo simples, curto e bastante reflexivo. Em apenas 02 minutos você vai mudar sua forma de ver a vida.

Não absorva o stress dos outros. É dos outros e não seu...

Palestra sobre a Família

Nucleo Assistencial Espirita Cristão Chico Xavier em Itapira-S...

Good Morning...

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Minutos com Haroldo Dutra Dias

Arthur vencendo a Paralisia e mostrando que diagnóstico não é destino. Parabéns campeão!

Achou lindo? Então, nos ajude a divulgar a Libras - compartilhe!

O melhor vídeo que eu já vi em toda minha vida na internet.

Angel Jacinto, menino mexicano de 10 anos foi capa nestes dias nos jornais pelo discurso a denunciar o nível de corrupção...

CONFIRMADA: AMANHÃ TERÇA, 30/5/17 14h: 10ª Marcha Nacional em Defesa da Vida.

Eu quero morar lá!

Ei querido, agraciado com a dor e a ferida que aproveitam voz!

SOBRE A REENCARNAÇÃO - ALEXANDRE CALDINI

Minutos com Haroldo Dutra Dias.

Pesquisas buscam definir estilo e parentescos culturais da escritora Carolina Maria de Jesus

Imagine Mozart, Beethoven, Schubert, Wagner, Tchaikovsky, Debussy e outros 27 compositores clássicos todos juntos em uma só música?

Olá, mundo!

Sinceramente, quantas CURTIDAS esses heróis merecem?

DESAPEGO - FERNANDO PESSOA / NINNA ANGEL

Artista: Israel Kamakawiwo'ole Álbum: Ka 'Ano'i Data de lançamento: 1990

Música - Tracy Chapman - Baby Can I Hold You

Jung tinha uma brincadeira ...